O que comer depois das férias para aliviar o corpo?

O que comer depois das férias para aliviar o corpo?

A celebração tradicional do Natal e Ano Novo é normalmente acompanhada por muitos alimentos açucarados e gordurosos, álcool, frequentemente misturado com bebidas açucaradas, e um calendário de refeições quebrado. Alguns dias de tal diversão podem perturbar o tracto gastrointestinal, afectar a saúde do fígado e baixar o sistema imunitário.

Para melhorar o seu bem-estar, livre-se da fadiga e do peso constantes e proteja-se de doenças, imediatamente após as férias mude para uma dieta saudável. Experimente esta dieta durante pelo menos algumas semanas, e sentirá o retorno da sua energia e melhor humor.

Qual é o melhor alimento para aliviar o corpo?

Legumes e frutas

Tanto as frutas como os legumes são muito úteis para a perda de peso. São ricos em fibras, vitaminas, minerais, antioxidantes e agentes anti-inflamatórios. Promovem o crescimento de flora benéfica no intestino, ajudam a manter um peso normal e protegem contra bactérias Helicobacter pylori, que podem causar problemas digestivos.

Todos os tipos de couve e beterraba têm efeitos benéficos sobre o fígado: reduzem o stress oxidativo e protegem o órgão de danos. E os citrinos, pimentos e couve são ricos em vitamina C (um antioxidante que fortalece o sistema imunitário e reduz a inflamação no corpo).

Todos os tipos de bagas (especialmente uvas) são também eficazes no combate à inflamação. Estes alimentos são ricos em flavonóides, antioxidantes que protegem o corpo dos efeitos nocivos das espécies reactivas de oxigénio e resistem ao aparecimento de tumores.

Se quiser aliviar o corpo após as férias, componha o menu de tal forma que metade de cada refeição seja constituída por vegetais e frutas, frescos ou cozinhados a vapor – este método de processamento permite preservar as vitaminas e antioxidantes tanto quanto possível. E tente diversificar a sua dieta. Esta abordagem permitir-lhe-á obter todos os elementos necessários para a saúde e assegurar um intestino saudável.

Alimentos fermentados

Estes são leite fermentado, iogurte, queijo, queijo cottage, chucrute, e outros alimentos obtidos por fermentação.

Estes alimentos contêm lactobacilos probióticos (Lactobacillus), bifidobactérias (Bifidobacterium) e outros microrganismos benéficos que têm um efeito positivo na saúde intestinal, promovem uma boa microbiota e inibem o crescimento de bactérias nocivas, incluindo Helicobacter pylori.

Estudos mostram que comer 200 gramas de iogurte diariamente aumenta significativamente o número de bactérias benéficas que estimulam a imunidade no intestino, reduz os agentes patogénicos, e ajuda a aliviar os sintomas de intolerância à lactose.

Além disso, os probióticos de alimentos fermentados melhoram a saúde da pele e até afectam o bem-estar psicológico – ajudando a reduzir a ansiedade social e, em geral, a melhorar a saúde mental de uma pessoa.

Basta ter em mente que os produtos lácteos fermentados adquiridos no armazém raramente contêm probióticos devido ao tratamento térmico e conservantes. Portanto, se quiser beneficiar de alimentos fermentados, compre produtos com um curto prazo de validade, ou melhor ainda, cozinhe-os você mesmo. Não é tão difícil como pode parecer.

Cacau, café e chá verde

O cacau contém mais antioxidantes fenólicos do que muitos outros alimentos. Flavonóides, incluindo catequinas, epicatequinas, e procianidinas, protegem o corpo de espécies reactivas de oxigénio, reduzem a inflamação, e são benéficos para a imunidade, saúde vascular, e sensibilidade insulínica.

Como parte do chocolate preto (40 g por dia) o cacau reduz o cortisol (hormona do stress) em pessoas com elevada ansiedade e promove a saúde intestinal. Pode-se preparar uma bebida em pó ou consumir chocolate preto rico em cacau. Só não exagere com as porções: o chocolate também contém açúcar, o que tem um efeito negativo na saúde e pode levar a um aumento de peso.

O chá verde também é rico em catequinas antioxidantes. O consumo regular desta bebida reduz a inflamação no corpo e promove a saúde do fígado.

Quanto ao café, beber regularmente suporta uma boa sensibilidade à insulina, aumenta o metabolismo, ajuda a combater a inflamação no corpo e protege o fígado da acumulação de gordura e colagénio.

Cereais e produtos integrais

Ao contrário dos grãos refinados, os grãos inteiros contêm o germe e a casca dura e retêm mais vitaminas B, carbohidratos complexos, proteínas e fibras.

Os grãos inteiros têm um efeito positivo no metabolismo da glucose, promovem o crescimento de bactérias benéficas no intestino e ajudam a manter o peso normal.

Numa meta-análise de 2016, os cientistas analisaram 45 estudos científicos e descobriram que a adição de 90 gramas de alimentos integrais por dia (tais como duas fatias de pão e uma tigela de cereais) reduz significativamente o risco de doenças cardiovasculares, doenças coronárias, cancro, doenças respiratórias, diabetes e doenças infecciosas.

Especiarias

Muitas especiarias, como o curcuma, o gengibre e a canela, são ricas em antioxidantes que protegem o corpo do stress oxidativo e reduzem a inflamação. Adicionam-nos às refeições e bebidas para aumentar os benefícios para a saúde.

Tipos de peixe gordos

O peixe é rico em proteínas, vitaminas, minerais e ácidos gordos polinsaturados Omega-3 saudáveis. Os ácidos gordos docosahexaenóicos (DHA) e eicosapentaenóicos (EPA) desempenham papéis importantes na protecção contra várias doenças, incluindo doenças cardiovasculares (DVC), cancro e doenças neurodegenerativas.

Além disso, comer peixe oleoso protege o fígado da acumulação de gordura, mantém os níveis normais de enzimas, combate a inflamação e melhora a sensibilidade insulínica.

Cavala, atum, salmão, esturjão, tainha, anchovas, sardinhas, arenque e truta são ricos em ácidos gordos Omega-3. Tente consumir pelo menos 340 g de tais peixes por semana.

O que desistir para aliviar o corpo?

Álcool

Quando o etanol em bebidas alcoólicas entra no corpo, o fígado utiliza enzimas especiais para o converter em acetaldeído e depois em ácido acético. Isto aumenta o stress oxidativo nas células hepáticas e danifica as mitocôndrias, as organelas envolvidas na produção de energia.

Para melhorar o estado do seu fígado, desista completamente do álcool enquanto se desintoxica. Se isto não for possível, não consuma mais de 1-2 porções padrão (150-300 ml) de vinho tinto por dia – contém pelo menos antioxidantes que podem reduzir a inflamação e os danos no fígado causados pelo etanol.

Carne assada e processada

A carne cozinhada a altas temperaturas (frita, grelhada, assada no forno) contém muitos produtos finais de glicação (AGEs). Estas substâncias são formadas quando proteínas e gorduras se combinam com hidratos de carbono durante o processamento. Os AGEs aumentam o stress oxidativo e a inflamação e aumentam o risco de doenças crónicas tais como diabetes, DCV e doenças renais.

Para reduzir os produtos finais da glicação, ferver ou vaporizar a carne. Também se pode utilizar vinagre, limão e sumo de tomate em marinadas – um ambiente ácido reduz pela metade a formação de AGEs.

Deve também desistir de carnes processadas, tais como enchidos, toucinho, presunto e produtos enlatados durante a duração da sua dieta. Um grande estudo de coorte com mais de 29.500 pessoas constatou que apenas duas porções de carne processada por semana aumentavam o risco de DCV e de morte prematura em 37%.

Doces e produtos de pastelaria

O açúcar de mesa consiste em glucose e frutose. Esta última aumenta a produção de ácido úrico, o que reduz a sensibilidade das células à insulina e provoca inflamação no organismo. Além disso, a frutose é prejudicial para o fígado porque aumenta a formação de gorduras e prejudica a sua oxidação.

Quanto aos produtos de padaria e pão doce, além do açúcar, tais produtos também contêm farinha refinada com grandes quantidades de hidratos de carbono simples. Os produtos feitos a partir deles aumentam os níveis de glicose no sangue após uma refeição e o número de marcadores inflamatórios. E fazem-no tão bem como o açúcar.

Além disso, o consumo de farinha refinada tem estado ligado à diminuição da sensibilidade à leptina (a hormona que o faz sentir-se cheio). Portanto, se comer e não conseguir parar e depois levantar-se da mesa com uma terrível sensação de peso, os hidratos de carbono refinados e o açúcar podem ser os culpados.

Ao escolher um determinado alimento a partir dos alimentos permitidos, oriente-se pelas suas preferências e sentimentos. Não se deve forçar a comer alimentos de que não gosta só porque são bons para si. Experimente, experimente coisas novas e escolha o que é agradável e não lhe causa desconforto.

É bem possível que após 2-3 semanas não queira voltar a beber cerveja e batatas fritas, doces e saladas flutuantes de maionese, e uma alimentação saudável não se torne uma forma de aliviar o corpo, mas sim um modo de vida regular.


No more posts
No more posts