Como é que os hábitos de viagem mudaram desde a pandemia?

Como é que os hábitos de viagem mudaram desde a pandemia?

O ano 2020 será recordado por muitos como o ano da pandemia, dos lockdowns e do encerramento de muitas fronteiras. Este ano mudou radicalmente o modo de vida a que muitas pessoas estavam habituadas e deu origem a muitas tendências no turismo.

Hoje em dia, a pandemia da COVID ainda continua, e muitas restrições para os viajantes ainda estão em vigor. Mas será que as pessoas desistiram de viajar? De modo algum. É que a pandemia levou as pessoas a viajar para outros lugares, por vezes lugares muito estranhos (que noutras circunstâncias talvez nunca tivéssemos visitado). Dizemos-lhe de que outra forma as viagens mudaram ultimamente.

Como é que o turismo mudou após 2020?

Com fronteiras fechadas e viagens limitadas, muitas pessoas repensaram o valor das viagens. Em resposta a este “retiro”, há uma tendência para visitar o que está literalmente “ao virar da esquina” de casa. É uma espécie de “microturismo”, como por exemplo:

  • Partir durante alguns dias para ver uma quinta, um museu;
  • Viagens para fora da cidade para participar numa aula de artesanato ou de culinária organizada por produtores locais;
  • Viagens simples ao ar livre e visitas a lugares, que ficam a poucas horas de carro.

Este conceito enquadra-se bem nas ideias actuais de consumo moderado e de ambientalismo geral. Os viajantes estão cada vez mais envolvidos na preservação dos ecossistemas que visitam. Os turistas plantam árvores, cuidam de animais selvagens, participam na construção de infra-estruturas para a população local, partilham o seu conhecimento numa determinada área e transmitem-no aos habitantes locais.

Outra tendência é o turismo médico, que está relacionado com os cuidados de saúde, tanto preventivos como restaurativos.

Um conceito chamado “Bleisure” também está a ganhar ímpeto. Trata-se de um neologismo inglês formado a partir das palavras “business” e “leisure”. Esta tendência implica combinar trabalho e férias, onde a única condição é, de facto, a disponibilidade de uma Internet rápida e estável. Esta ideia está especialmente próxima daqueles que trabalham remotamente.

Que tendências de viagem estão a ganhar ímpeto neste momento?

Glamping

Após o modo de auto-isolamento, muitas pessoas têm a noção de como é aborrecido ficar muito tempo em quatro paredes, têm uma necessidade crescente de recreação na natureza. A este respeito, a grande popularidade ganhou “glamping” (abreviatura de “campismo glamoroso”), onde se pode viver, por um lado, no ambiente mais natural, mas, por outro lado – num ambiente muito confortável em comparação com as tendas tradicionais.

Como é que os hábitos de viagem mudaram desde a pandemia?

Champing

Em geral, a tendência para viver em instalações não estandardizadas em todo o mundo está apenas a aumentar. Assim, ainda recentemente, em Inglaterra, começou a ganhar popularidade o conceito, chamado “champing”. Esta área do turismo envolve estadias nocturnas em igrejas históricas abandonadas. O aluguer inclui uma cama, velas e lanternas e, por uma taxa extra, pode até encomendar o pequeno-almoço.

A ideia foi desenvolvida pelo The Church Conservation Trust, uma instituição de caridade britânica que doa dinheiro das estadias dos turistas para manter as igrejas. Já existem 14 complexos eclesiásticos como acampamentos.

Turismo lento

Este tipo de viagens tornou-se muito popular entre os turistas de hoje em dia. As razões da sua popularidade também são claras: o turismo lento nasceu como uma extensão do movimento de slow food, que se opõe à fast food. A ideia de turismo lento é mais ou menos a mesma: sentir o tempo de férias, desfrutando cada momento do mesmo. Para isso, é importante abandonar a corrida para visitar todos os lugares “imperdíveis”, tomando como base o lema: “olhar menos, mas melhor”.

Todos os peritos da indústria de viagens concordam que esta tendência se irá desenvolver no futuro. Porque os turistas abraçaram o turismo lento mesmo antes da pandemia, quando começaram a praticar a filosofia da viagem consciente. Inclui uma atitude cuidadosa em relação aos locais, a importância de apoiar a comunidade local, a responsabilidade na escolha de companheiros de viagem, a necessidade de imersão total na cultura e tradições do local.

Como é que os hábitos de viagem mudaram desde a pandemia?

Visitas de autor

Outra tendência de viagem após o início da pandemia é a mudança do turismo de pacotes clássicos para as viagens de autor individualizadas. Isto é confirmado por números: este ano, o número de procuras de “viagens de autor” aumentou 20%. Em muitos países, o conceito de viagens de aventura em pequenos grupos tornou-se uma poderosa alternativa à oferta de viagens padrão e é muito popular entre os viajantes.

Viagens virtuais

Graças às excursões fotográficas e de vídeo, pode ir para qualquer lugar no mapa directamente de casa. Os serviços de viagens virtuais permitem fazê-lo de graça, e alguns deles imitam conversas com companheiros de viagem e reproduzem sons.

Por exemplo, pode ver algumas das melhores pinturas do mundo com a ajuda do Art Project do Google. E pode observar a vida de pessoas de todo o mundo em Earthcam.com. E no entanto, a experiência da realidade virtual é, em regra, curta e não comparável com umas férias reais de duas semanas.


No more posts
No more posts