Quem trabalha realmente mais: o trabalhador de escritório moderno ou o servo?

Quem trabalha realmente mais: o trabalhador de escritório moderno ou o servo?

O trabalho dos escriturários actuais é muitas vezes desvalorizado: sentam-se das 9 às 6, apenas premindo as teclas do teclado, e mudam os papéis… Acredita-se que a nossa geração não trabalha tanto como a anterior (uma vez que os escriturários e o plâncton de escritório não trabalham fisicamente, como os nossos antepassados, que trabalharam em fábricas e campos durante 12-14 horas por dia)…

Então, quem está a “arar” mais: nós hoje ou os nossos antepassados não completamente livres? Vamos comparar e analisar.

Dormir e levantar-se

Se o escriturário moderno conseguir dormir continuamente durante oito horas de cada vez, o sono do camponês não assume tal redundância. Embora os camponeses se deitassem cedo (eram guiados pelas horas do dia – se não se podia ver nada, o trabalho tinha acabado, e bem-vindos a um banco aconchegante), o sono era “cortado”.

Não havia relógios na maioria das cabanas de camponeses até ao século XIX, pelo que se sabia que os galos eram utilizados para orientação. Era normalmente a mãe e os seus ajudantes que se levantavam com estes últimos cantando cerca das duas da manhã: nessa altura a massa tinha de ser colocada sobre o pão, de modo que às quatro ou cinco da manhã, quando a elevação principal estava marcada, tinha tido tempo para se levantar e era adequada para cozer.

O escriturário moderno não tem necessidade de interromper o seu sono desta forma – a não ser, claro, que tenha a sorte de ter um chefe. Os “sortudos” donos de um autocrata voador com o hábito de chamar a meio da noite podem muito bem sentir-se como servos em termos de sono.

Dia de trabalho e Salários

Há uma opinião de que o camponês, que não tinha liberdade pessoal, trabalhou, como na famosa canção, de madrugada em madrugada e de escuridão em escuridão, mas os estudos históricos refutam este mito na sua maioria. No Verão, durante a chamada “estação alta” (como seria chamada pelos trabalhadores de escritório modernos) os servos tiveram de trabalhar mais, claro, mas mesmo aqui não o faziam sem pausas.

Enquanto no escritório se podia normalmente contar com um intervalo máximo de uma hora para almoço, a rotina do camponês envolvia um descanso um pouco mais frequente:

  • às 10 da manhã;
  • por volta da 1 hora da tarde;
  • e às 4 horas da tarde.

Quem trabalha realmente mais: o trabalhador de escritório moderno ou o servo?

Mas é mais complicado com os salários: o camponês, por um lado, não os tinha no sentido habitual da palavra. Por outro lado, havia uma espécie de imposto sobre o rendimento, que era em espécie: como sabem, o senhorio tinha de pagar a partir de um quarto, um terço ou mesmo metade da colheita da terra.

Feriados

E aqui os escriturários são susceptíveis de invejar os camponeses: de acordo com vários cálculos, houve cerca de cem dias de festa num ano – um pouco mais de um quarto. Estas festas eram eclesiásticas, e a grande maioria dos camponeses estava isenta de trabalhar nelas.

Contudo, mesmo neles (excluindo os muito rigorosos, em que era considerado pecado trabalhar), o camponês muitas vezes não descansava, mas ia ao comércio: pesca, apicultura (recolha de mel de abelhas selvagens), caça. Era uma espécie de hackwork moderno à parte.

Não devemos esquecer os períodos de frio, quando se podia esquecer o trabalho árduo no campo. Durante estes períodos, o senhorio não conseguia encontrar trabalho para um servo, o que significava que ele era realmente deixado à sua sorte.

Para os funcionários não havia “férias” tão grandes: mesmo tirar uma licença de ausência por, digamos, três meses era problemático: para não falar das despesas de subsistência, durante este período podia-se ficar desempregado para o empregador e mais tarde encontrar um novo emprego.

Quem trabalha realmente mais: o trabalhador de escritório moderno ou o servo?

O nosso veredicto

Os camponeses servos (bem como os escravos), dada a natureza principalmente física do seu trabalho, ainda tinham mais dificuldade do que os modernos trabalhadores de escritório. No entanto, estes últimos, ao contrário dos seus antepassados distantes, têm de trabalhar quase todo o ano: há poucas épocas “livres” quando não há ou há muito pouco trabalho.

Mas embora a maioria dos camponeses tivesse trabalho (embora tenhamos de o procurar), faltava-lhes, talvez, o principal, sem o qual a vida do homem moderno dificilmente faria muito sentido:

Os servos não tinham liberdade pessoal e não podiam gerir o seu tempo como desejavam.

Infelizmente, apesar da abolição da escravatura e da servidão na maioria dos países do mundo, este problema persiste até aos dias de hoje. Há ainda milhões de pessoas que não são livres de escolher a sua ocupação e emprego.


No more posts
No more posts