Vivemos juntos, mas ele não me chama para casar. O que fazer?

Vivemos juntos, mas ele não me chama para casar. O que fazer?

Eu tenho uma namorada. Ela é uma pessoa alegre e optimista, mas nas últimas semanas o seu comportamento e atitude mudou drasticamente. Tornou-se sonolenta e perdeu sono, e perdeu peso desde que quase não come.

Eu perguntei a ela: “O que há de errado com você? Qual é o problema?” E ela me disse:

Vivo com ele há mais de um ano. Tudo parece bem para nós. Mas a sua atitude para comigo não é séria – durante todo este tempo nunca falámos uma única vez em constituir família, casar, ter um filho. Receio que ele não me ame e que esta relação não leve a nada.

Aconselhei a minha namorada a consultar um bom psicólogo. Após a sessão da psicóloga, ela voltou mais confiante. Acabou por não valer a pena o incómodo. Mesmo na nossa era feminista, há três coisas principais que uma mulher nunca deve fazer primeiro:

1. Oferecer a primeira intimidade e pedir para viverem juntos não é uma boa táctica para uma mulher

É tudo uma questão de sexo, de uma forma ou de outra. De facto, se uma rapariga convoca um primeiro encontro, ela insinua que não é contra isso no futuro. Pedir para viverem juntos torna a intimidade regular e frequente. Por isso, é também uma oferta de si própria, apenas mais explícita ainda.

Mas tais coisas devem ser oferecidas primeiro pelo homem. Afinal, a intimidade com uma mulher tinha de ser procurada em todos os momentos. Um homem não arrisca nada, mas recebe muito. Os principais riscos aqui estão do lado da mulher. E por isso é lógico que cabe ao homem lutar pelo direito de possuir uma mulher. E ele está pronto a levá-lo a sério.

E ele tem o direito de escolher. E quando uma mulher se oferece para sair, ou para ir para a cama, a excitação, a tensão da espera desaparece, tudo se torna simples e desinteressante para ele. Ele pode concordar, mas depois será aborrecido, não activo e a mulher terá de continuar a arrastar esta relação o mais duramente possível, queixando-se de que o homem ali era algum tipo de preguiçoso, “menino da mamã”.

Todas as grandes decisões que ela tem de tomar ela própria. E todas as suas principais decisões foram sobre sexo. O seu namorado simplesmente não se sentia como um homem à sua volta, ele não estava interessado em persegui-la, uma vez que tudo já tinha sido oferecido. Ela simplesmente não conseguia ver que há muito se tinha desvalorizado aos olhos dele.

Vivemos juntos, mas ele não me chama para casar. O que fazer?

Mas na situação da minha namorada, foi precisamente o oposto. O seu namorado Brandon já tinha feito todos os grandes movimentos masculinos há muito tempo. Convidou-a para sair num primeiro encontro, depois cortejou-a, arranjou romanticamente a sua primeira relação íntima (foram acampar, e foi ele que a convidou para ir viver com ele). E tinham vivido praticamente como uma família durante mais de um ano.

2. O casamento hoje em dia não é uma questão de cama, é uma questão de responsabilidade

Um psicólogo explicou à minha amiga Amanda que o género já não desempenha um grande papel. A proposta de viver num casamento, não mais sobre a relação de cama, já lá está há muito tempo, mas sobre a relação económica. E, nesta relação, homem e mulher há muito que são iguais. É evidente que a mulher quer mais certezas, sonha em ter um filho muito mais cedo do que o homem.

E para um homem, pelo contrário, o casamento é um passo muito sério, porque ele compreende que financeiramente terá de investir muito mais do que agora (especialmente se a família crescer). E, como se costuma dizer, os maridos que no início não querem realmente filhos quase sempre fazem grandes pais. E se nos concentrarmos no desejo dos homens nesta matéria, então o nosso planeta seria despovoado muito rapidamente…

Assim, o ponto principal que o psicólogo fez à minha Amanda foi que não é preciso esperar por uma proposta. Tem de ser o próprio a propor o casamento. Isto não é motivo de vergonha e não humilha a mulher. Pelo menos nesta situação.

É evidente que quando um homem sai de vez em quando com uma mulher, não há maneira de ela poder dar este passo primeiro. Primeiro tem de se chegar ao terceiro passo. Esperar por uma oferta para morar juntos e viver juntos. E, na situação de Amanda, ela não tem nada a perder ao propor, ela até ganha. Mesmo que ele a recuse, vai recusá-la com algum tipo de argumento.

Tem de ouvir esses argumentos. E muito provavelmente, então, após reflexão, o próprio homem irá propor. Afinal de contas, ele perceberá que a sua namorada é muito séria na relação deles. E a rapariga, depois disto, é mais provável que cresça aos seus olhos.

E se ele recusar de todo, com a formulação de que não estou preparado para ter filhos seus ou investir numa família – isso também é bom. Porque não? Poupou muito tempo, pode agora decidir se vai continuar a viver com ele, ou se tem de partir.

Vivemos juntos, mas ele não me chama para casar. O que fazer?

3. Não o invente, pergunte-lhe

Este é outro ponto importante:

Uma rapariga que está constantemente à espera de uma proposta de casamento do seu parceiro, transforma a relação numa espécie de batalha clandestina ou vice-versa, tornam-se preguiçosas e sem alegria.

Há muitas desvantagens na posição da pessoa à espera. Ele torna-se dependente do outro. Chamou-me a um restaurante, oh talvez ele me conte tudo lá! Ele não o fez! E senta-se naquele restaurante triste, aborrecido, e o seu namorado não consegue perceber o que se passa.

Tudo parece belo e romântico. E a noite já passou. E pode haver muitos desses momentos, e gradualmente as mais belas relações são estragadas, começa a “estoirar os miolos” em qualquer ocasião, a verdade é assustadora de se dizer.

É por isso que acontece que chamar o primeiro a casa para o primeiro sexo não é assustador, mas propor ao rapaz, quando se viveu com ele durante um ano, é assustador? Deveria ser o contrário.


No more posts
No more posts