12 anos de coma, depois vida realizada. A incrível história de Martin Pistorius

12 anos de coma, depois vida realizada. A incrível história de Martin Pistorius

Muitas pessoas hoje em dia queixam-se da vida dura: que têm de trabalhar arduamente, não há sentido da vida, não há felicidade, nada pelo que lutar. Digo-vos isto: basta olhar para a imagem acima e abaixo. Este tipo acabou de sair de um coma de 12 anos, não entrou em coma e decidiu seguir em frente. E hoje ele tem uma casa, uma família, e um emprego que adora.

12 anos de coma, depois vida realizada. A incrível história de Martin Pistorius

Esta é a história de um adolescente com um destino complicado. O seu nome é Martin Pistorius. Este nome tornou-se um ícone para muitos hoje em dia: não só foi capaz de derrotar a morte, como provou a muitas pessoas que o impossível é possível.

Hoje, na sua página do Facebook, pode encontrar muitos comentários semelhantes:

Martin, eu apoio-te do fundo do meu coração. Obrigado, querida, que a tua história, a tua dor, a tua força, a força para suportar, a tua coragem para estar de pé, a tua paciência perante as dificuldades permitirá a muitas pessoas em diferentes lugares do nosso planeta compreenderem que há sempre ESPERANÇA. E que não tens apenas de acreditar, mas de fazer… sendo paciente…

O próprio Martin está muito grato pela atenção de todos e partilha de bom grado as suas memórias de como se sentia quando estava em coma:

“Durante muitos anos eu não fui um homem, mas um fantasma. Ouvi e vi tudo. Mas era como se eu não existisse”.

Para muitas pessoas, tudo o que aconteceu a este homem pode parecer inacreditável, mas foi realmente inacreditável.

A História de Martin e Coma

Martin Pistorius nasceu em 1975 na África do Sul. Era uma criança normal: saudável, activo, inteligente, interessado em electrónica e com bons resultados na escola. Em Janeiro de 1988, Martin chegou da escola e disse que tinha uma dor de garganta.

12 anos de coma, depois vida realizada. A incrível história de Martin Pistorius

Uma fotografia da família Pistorius antes dos tristes acontecimentos. Martin é o filho mais velho, de pé no centro entre os seus pais.

Os seus pais deram-lhe medicamentos para a tosse, depois chamaram os médicos. Mas a condição de Martin não melhorou. Cada dia a sua força deixou-o, até se esgotar. Em poucos meses, Martin perdeu a capacidade de andar, mover-se, fazer contacto visual, e falar. Os seus dedos enrolaram-se como tenazes e os seus olhos perderam o seu significado. Depois veio o coma.

Isto foi uma grande surpresa, porque uma constipação não causa coma. Os médicos assumiram que ele tinha contraído meningite criptocócica (tuberculose do cérebro) e trataram-no da doença. Mas os esforços foram em vão.

Passado algum tempo, os médicos admitiram que Martin estava em estado vegetativo e que nada mais o poderia ajudar. Ele teve alta do hospital, dizendo aos seus pais que a medicina estava impotente e que só restava cuidar dele e esperar que a doença neurológica fizesse o seu trabalho e que Martin morresse.

Mas a família não desistiu.

Durante mais de 10 anos, Martin ficou imóvel em coma na sua casa. Durante todo este tempo os seus entes queridos tomaram conta dele. Parece que ele não pôde ser ajudado. Mas os seus pais nunca perderam a fé. Nem o próprio Martin. É assim que ele descreve o que sentia naquele momento:

“Passado algum tempo, comecei a sentir que a consciência tinha voltado para mim. Sim, não me conseguia mexer, mas comecei a distinguir vagamente luz e som. Fui então apanhado pelo medo. Pensei: porque é que ainda estou vivo neste estado? Poderia eu sequer ser salvo?”.

De repente, depois do rapaz fazer 17 anos, a sua consciência recuperou completamente, e a cruel realidade foi-lhe revelada: ele tornou-se inválido. Começou a ter pensamentos deprimentes que mataram a sua última esperança:

“É como um fantasma que observa a vida a partir das linhas laterais. Estás lá, mas ninguém o sabe”.

Uma vez, a sua mãe disse em voz alta, desesperada, que seria melhor se ele estivesse morto. Ele ouviu tudo e compreendeu perfeitamente bem o estado da sua mãe. Foi o momento mais assustador da sua vida. Pareceu-lhe que era uma má mãe e que não conseguia lidar com nada.

A única pessoa da família que não perdeu a esperança foi o seu pai. Todos os dias ele alimentava Martin, massajava o seu corpo e vestia-o. Todas as manhãs o meu pai levantava-se às 5:30 da manhã, vestia Martin, e levava-o a uma instituição. No final de cada dia, lavava o seu corpo na banheira, alimentava-o com o jantar, e punha-o na cama. Punha um despertador de duas em duas horas para virar o corpo de Martin para evitar escaras.

De acordo com as memórias de Martin:

“Embora o meu pai fosse um homem formidável e bruto, as suas mãos permaneceram sempre suaves. Tentei gritar com ele interiormente, tentando chamar a sua atenção. Mas tudo foi em vão”.

O único sinal de vida foi um ligeiro estremecimento do músculo do cotovelo. Mas Martin sabia que ninguém o conseguia ver.

12 anos de coma, depois vida realizada. A incrível história de Martin Pistorius

Martin Pistorius ficou inconsciente durante 12 anos!

Isto é o que diz o seu pai:

“Durante os dois primeiros anos, Martin esteve realmente em estado vegetativo. Depois recuperou gradualmente as suas memórias e a sua capacidade de pensar. Mas não havia maneira de o expressar – ele estava preso no seu próprio corpo, como se estivesse num túmulo. No entanto, verificou-se que ele se lembrava de muitas coisas de uma época em que todos à sua volta pensavam que ele não sabia o que se estava a passar”.

Foi assim que Martin descreveu este período:

“Todos estavam tão habituados a que eu estivesse em coma que não repararam quando comecei a estar novamente presente. Era como nos filmes, quando o herói morre e se torna um fantasma, mas ele ainda não se apercebe disso. Era assim que eu estava ciente de que as pessoas olhavam através de mim. Por muito que eu implorasse, gritasse, ou chorasse dentro de mim, não havia maneira de as fazer reparar. E percebi que ia passar o resto da minha vida em completa solidão”.

Foi assim que eles viveram durante 12 anos.

Os que o rodeavam continuavam a considerá-lo um “vegetal” que não conseguia ouvir ou compreender o que se dizia à sua volta. Foi especialmente insuportável quando no hospital o sentaram em frente à televisão durante todo o dia para “ver” os programas infantis durante todo o dia.

Quando a raiva enchia o rapaz, a sua respiração era intermitente. Então o seu pai perguntava: “Estás bem, pequenino?”. “Mas eu apenas observava e rezava”, recordou Martin. Segundo Pistorius, ele estava constantemente a treinar o seu cérebro para resolver problemas e exemplos matemáticos.

12 anos de coma, depois vida realizada. A incrível história de Martin Pistorius

Gradualmente Martin encontrou outra coisa com que ocupar o seu tempo para além de problemas de matemática. Ele aprendeu a reconhecer o tempo pelas sombras nas paredes e no tecto da sala. Gradualmente, aprendeu a interagir com o mundo na sua mente. Este é um dos maiores exemplos do que os psicólogos chamam de resiliência – a capacidade de superar dificuldades e situações stressantes.

Ao reflectir, ele foi também capaz de compreender as palavras cruéis da sua mãe:

“Percebi que ela simplesmente não conseguia lidar com o desespero. Ela viu-me como nada mais do que uma paródia cruel do seu amado filho, outrora saudável e alegre. Compreendo que a minha mãe não o tenha dito por despeito. Afinal, ela deixou o seu trabalho para tomar conta de mim e ajudou-me a aprender um programa de computador especial com o qual posso agora comunicar e trabalhar”.

Um dia, uma enfermeira notou um vislumbre de vida nos olhos do paciente. E, milagrosamente, a doença começou a regredir.

Martin voltou a aprender a ler e a escrever, dominou o computador, depois foi para a faculdade, onde estudou programação, e conseguiu um emprego numa agência governamental.

Hoje, Martin comunica com outras pessoas através de um computador que fala o texto que escreve. Licenciou-se no liceu, tornou-se web designer e trabalha na sua especialidade. Em 2011, escreveu o livro “Sino de Mergulho e Borboleta”.

Martin tem agora 41 anos. Ganhou controlo parcial sobre o seu corpo: as suas expressões faciais e os movimentos da parte superior do corpo voltaram para ele. Pode também deslocar-se numa cadeira de rodas especial. A sua consciência regressou por completo.

Em 2009, casou com a amiga da sua irmã Joanna. Ele criou uma família com ela. Eles são felizes juntos.

12 anos de coma, depois vida realizada. A incrível história de Martin Pistorius

Gosta de web design, adora computadores, cricket e fotografia, adora animais, Fórmula 1 e prefere relaxar em casa. Martin não se queixa de nada. Ele está feliz com a sua vida e observa:

“É preciso apreciar o que se tem hoje, porque ninguém sabe o que o amanhã trará”. A nossa vida pode mudar a qualquer momento”.

O que podemos acrescentar aqui? Martin, você tem 200% de razão! Deus lhe dê saúde e uma vida longa e feliz.


No more posts
No more posts