Como é que os ressentimentos prendem as nossas mentes? E o que fazer com eles?

Como é que os ressentimentos prendem as nossas mentes? E o que fazer com eles?

Cada um de nós tem estado ressentido com alguém pelo menos uma vez. Pode ser um rancor infantil inocente ou uma emoção séria experimentada na vida adulta.

Todos sabemos que não é bom estar ressentido. Apenas não é produtivo e tem um impacto negativo sobre nós próprios. Mas o que fazemos se um ressentimento for enterrado no fundo de nós? Como nos vermos livres dele? Sobre isto diremos neste artigo.

Porque é que não deve ficar ressentido?

O ressentimento é uma emoção muito prejudicial e dolorosa. Faz-nos sentir pena de nós próprios e literalmente “queima” todo o bem de dentro de nós, sugando a nossa vitalidade, embaciando os nossos pensamentos e pesando no nosso coração.

É claro que as razões para um ressentimento podem ser diferentes. Pode ser um ressentimento imaginário (quando é apenas um fantasma na sua cabeça), ou pode ser uma dor muito real causada por alguém próximo de si, uma atitude injusta para consigo no trabalho, um insulto por um estranho na rua… Pode ser qualquer coisa. E o desejo de ser ofendido nesse caso é uma reacção perfeitamente natural.

No entanto, o ressentimento não é a solução. Estar ressentido das pessoas é um caminho para o nada. É a mais inútil de toda a gama de possíveis reacções emocionais humanas! Sentimentos amargos de ressentimento, raiva subjacente e vingança não ajudam a resolver conflitos, mas apenas os alimentam. Mas pior ainda, estas emoções negativas concentram toda a sua atenção. Deixamos de pensar sóbrio, o que é mau para o nosso trabalho e para as nossas relações com as pessoas.

O que podemos fazer para evitar ressentimentos?

Devemos lembrar que é muito mais fácil não se ofender do que tentar perdoar alguém após algum tempo.

Claro que muitas pessoas diriam que é impossível não nos ofendermos de todo nas nossas vidas. Hoje em dia são tais tempos – “de homem para homem é um lobo”. Todos lutando por dinheiro e por uma vida melhor, ninguém se preocupa profundamente com as emoções das pessoas. Algumas pessoas são insultadas, outras são ofendidas, isso acontece com todos. Acontece a toda a hora, desde a primeira infância até à velhice.

Como é que os ressentimentos prendem as nossas mentes? E o que fazer com eles?

Muitas pessoas condenam a ideia do perdão porque a vêem como uma fraqueza ou um acordo relutante em esquecer o insulto. Mas não é. Os especialistas em psicologia reconhecem que é preciso muita coragem para superar o ressentimento.

Como disse Mahatma Gandhi: “Os fracos não perdoam. O perdão é o atributo dos fortes”.

Quando uma pessoa se ofende, experimenta fortes sentimentos negativos: raiva, frustração, ódio, depressão… Esta pluma de emoções negativas pode envenenar as nossas vidas durante anos, destruindo-nos mentalmente e fisicamente. No plano energético, formam-se coágulos de energia destrutiva, que mais tarde se transformam em doenças reais.

Acima de tudo, os ressentimentos não perdoados afectam o coração, os vasos sanguíneos, os sistemas digestivo e reprodutivo. Ao aprender a perdoar, não só recuperará a alegria de viver, mas também garantirá a si próprio uma boa saúde física e espiritual.

Imagine duas situações:

  • Acumula ressentimentos durante muito tempo, transformando-se num sujeito frustrado e fraco, ficando constantemente desanimado e deprimido;
  • Perdoa facilmente os seus agressores, tornando-se uma pessoa espiritualmente madura que se move confiante para o seu objectivo.

Que padrão de comportamento está mais próximo de si? Sem dúvida que todos escolhem a segunda opção, mas não sabem como o fazer. Entretanto, há muitas formas eficazes de não se ofender. Seleccionámos a melhor delas, que não se lembrarão da ofensa e passarão pela vida com um coração leve.

Como é que os ressentimentos prendem as nossas mentes? E o que fazer com eles?

7 formas eficazes de esquecer um ressentimento

1. Deixar a situação para trás

Claro que quer que o infractor rasteje de joelhos, pedindo perdão e a oportunidade de fazer reparações. Acontece por vezes, mas infelizmente, muito raramente.

Admita que se sente ferido no “aqui e agora”, mas não pode mudar o que aconteceu. Uma pessoa não pode desfazer o passado, mas pode aprender a desfazer o futuro! Só tome medidas concretas se quiser mudar a si próprio.

2. Trabalhar com egoísmo

As pessoas mais ressentidas são as que têm egos enormes. Tente baixar as suas pretensões para o mundo e para as pessoas à sua volta. A religião ensina-nos a livrar-nos do orgulho e a ser uma pessoa humilde. Se o vosso credo é “a vontade de Deus para tudo”, nenhuma ofensa penetrará no vosso coração. É melhor não ficar ofendido do que pensar mais tarde como aprender a perdoar. Lembre-se que uma pessoa zangada e rude ofende, antes de mais, não você, mas ele próprio, diminui a sua dignidade, mostra a sua natureza humilde.

E aqui é importante se sabemos como controlar a nossa raiva? Como é que nos comportamos numa situação de conflito? Se ficarmos ofendidos e começarmos a discutir, a discussão acender-se-á como um incêndio, mas se ficarmos calados e pensarmos no porquê de ter acontecido, apagar-se-á como uma vela. Claro que apenas algumas pessoas podem controlar as suas emoções, por isso, se uma cobra-ódio já se infiltrou no seu coração, tente livrar-se dela rapidamente.

3. Escrever uma carta ao agressor

Deite fora a sua necessidade de se libertar do veneno interior que envenena a pessoa ofendida. Escolha um lugar e uma hora em que ninguém perturbará, e ponha francamente no papel todas as dores da alma. Descreva em pormenor o seu sofrimento, como se magoa e quão duro é. Tente dar à sua alma algum tipo de catarse, talvez comece a chorar ou a jurar pelas palavras más do agressor. Agora é altura de deitar fora todo o negativo que carregava no seu coração.

Não pode ser tímido nas expressões, não precisa de enviar uma carta ao destinatário, caso contrário, as consequências da relação serão imprevisíveis. Termine a mensagem quando sentir a devastação interior e perceba que expressou tudo o que desejava.

Depois embrulhe a carta num envelope e deixe-a para passar a noite num lugar isolado. De manhã, livre-se dela de qualquer das formas possíveis: rasgue-a em pequenos pedaços, passe por um triturador… A melhor maneira é queimá-la. O fogo, em si mesmo, é um elemento purificador. Ao fazê-lo, visualize que todo o lixo emocional é transformado em cinzas.

Como é que os ressentimentos prendem as nossas mentes? E o que fazer com eles?

4. Transformar as Desvantagens em Pros

Voltemos novamente ao método escrito. Dividir a folha com uma linha vertical no meio. À esquerda, descreva os aspectos negativos da ofensa; à direita, os positivos.

Por exemplo, devido a um conflito pessoal com o seu chefe, foi injustamente despedido do seu trabalho. Pode aprender a perdoar a cabeça de uma situação destas? Vejamos em pormenor:

  • Contras: Ficou sem emprego, houve problemas monetários;
  • Prós: No seu novo emprego evita uma relação litigiosa com o chefe. Aprendeu para toda a vida que não vale a pena entrar em conflito com a liderança.

Os aspectos positivos desta situação compensam os negativos. Da desvantagem temporária, conseguiu extrair uma sábia edificação, que irá afectar positivamente a sua carreira futura. Se os sentimentos feridos continuarem a assediá-lo, graças a este método, aprenderá como se livrar deles. Em tais situações, é uma tolice ser ofendido por pessoas específicas, apenas com a sua ajuda, o destino ensina-nos lições úteis. Se conseguir perceber que lições úteis esta situação lhe deu, houve uma clara mudança de energia que transforma a energia do ressentimento em perdão.

5. Esmagar pratos

Este método é uma ajuda para aqueles que experimentam uma raiva intensa contra o agressor. A prática não tem de ser feita em casa, martelando as suas taças e pratos favoritos. Alguns centros têm vindo a prestar tais serviços há muito tempo. Pode comprar os pratos mais baratos, encontrar um lugar deserto e festejar lá.

Em cada tigela escreva o nome do agressor que o irritou, ou liste todos os incidentes ofensivos da sua vida. Acompanhe o zumbido das lascas voadoras com um grito marcial, que pode ser emprestado das práticas orientais.

Por toda a sua comicidade, este método funciona. O método é baseado numa técnica de libertação de adrenalina, que é acumulada quando ofendida. Outra modificação deste método é o soco de um saco de boxe. Ao investir a raiva acumulada contra os agressores em golpes, uma pessoa livra-se dela de forma muito eficaz.

Como é que os ressentimentos prendem as nossas mentes? E o que fazer com eles?

6. Dançar até à queda

Os psicólogos dizem que a música rítmica harmoniza os nossos campos subtis, e se nos movermos ao ritmo deste ritmo, aumentaremos as vibrações benéficas. Para esta técnica, escolha a sua música preferida que não o faça lembrar a pessoa que o ofendeu. Em psicologia, acredita-se que os tambores africanos têm a carga energética mais poderosa.

Ligue a música a todo o volume e comece a dançar para apesar de todas as adversidades e infortúnios. Durante a dança imagine que a negatividade deixa o seu corpo e a sua mente, e eles estão cheios de vibrações vitais leves. Não se limite a apenas dançar, se quiser, grite, cante, chore, faça quaisquer movimentos. Esta prática chama-se meditação dinâmica e é utilizada em alguns ensinamentos iogues.

Dance até que a fadiga assuma o seu lugar e não haja mais pensamentos na sua mente. Desta forma, pode aprender não só a perdoar, mas também a ver-se livre de outras emoções negativas.

7. Ajude as pessoas fracas à sua volta

Se os métodos anteriores sobre como aprender a perdoar não funcionarem, é provável que estejamos perante um caso grave. Acontece que uma pessoa é tão consumida pela sua ofensa que o mundo inteiro se desmorona por ela. Em tais casos, a terapia ocupacional ajuda.

Torne-se um voluntário! Pode tomar conta dos doentes, dos idosos em lares e das crianças em orfanatos. Conhecerá e ouvirá as histórias de pessoas que foram abandonadas pelos seus familiares, sentirá como é difícil e doloroso para eles. Quão grande é o sofrimento de uma criança abandonada num orfanato? Ainda não teve tempo de fazer mal a ninguém, e já está magoado pelo próprio destino. Mas não pensa em como pode aprender a perdoar os pais que o abandonaram, e fá-lo-ia de bom grado.

Comparado com esta desesperança humana, a sua ofensa parecerá insignificante e vazia. Para aprender a perdoar, tente fazer algo de bom por estas pessoas desafortunadas. Ajude-os em palavras ou actos, e o bem voltará para si cem vezes mais. A essência desta técnica não é apenas minimizar a importância do seu pesar. Se aprender a dar aos seus vizinhos, em vez de exigir da vida um estatuto intocável, o egoísmo de que falámos no início irá diminuir. A vilania do ressentimento ultrapassa a força do espírito.

Qual é a forma correcta de responder aos insultos?

Outra forma eficaz de lidar com o ressentimento é impedir, em princípio, que este surja. Ou seja, quando alguém o insulta, pode tomar imediatamente uma posição defensiva.

A reacção da pessoa ofendida determina sempre a sua posição em relação ao seu interlocutor. Este é um conceito psicológico muito importante, cuja essência é a seguinte:

  1. Se permanecer em silêncio e não reagir a insultos, pode colocar o interlocutor numa posição extremamente embaraçosa, da qual ele se arrependerá mais cedo ou mais tarde, por ter agido como uma pessoa inadequada;
  2. Se responder à rudeza, respondendo da mesma forma, o interlocutor permanecerá na posição mais vantajosa, pensando que ele fez o que estava certo;
  3. Se responder à indelicadeza, mas não entrar numa altercação verbal, mas apenas responder com um par de palavras que sejam muito superiores ao interlocutor em termos intelectuais, pode levá-lo a um estupor.

Cada pessoa escolhe o seu próprio método de resposta aos insultos ou, com base na sua própria experiência, desenvolve a sua própria estratégia de comportamento em cada caso. Mas os psicólogos recomendam não deixar que tais situações aconteçam por conta própria e não ter medo de as resolver no local. Assim, fazendo o interlocutor compreender que da próxima vez é melhor não o fazer.

Lembre-se: Na maioria das vezes, uma pessoa que intencional ou involuntariamente insulte ou condene o seu interlocutor só o faz para se afirmar a si própria. Isto faz com que o infractor se sinta superior e mais importante, mas apenas aos seus próprios olhos. Afinal de contas, do lado em que parece indefeso, mesquinho e insignificante.

Os psicólogos recomendam que se tomem quaisquer insultos, acusações e grosserias, como estupidez absurda, vindos de pessoas mesquinhas. Não se deve ofender em resposta, mas rir do que foi dito e daqueles que insultaram, e então o interlocutor será colocado não só numa posição embaraçosa, mas também estúpida. É provável que tenha vergonha do que foi dito e da próxima vez pensará mil vezes antes de abrir a boca.

Desta forma, não só poupamos a situação ao calor e a nós próprios ao embaraço, como também colocamos perfeitamente o interlocutor no “seu lugar”.

Como é que os ressentimentos prendem as nossas mentes? E o que fazer com eles?

3 tipos de reacções a insultos

  • Para ser insultado. Esta resposta expressa a necessidade de protecção da pessoa ofendida. Apresentam desculpas ou respondem com insultos;
  • Aceitando o insulto e retendo-o. O tipo mais perigoso de reacção à situação. Neste caso, a pessoa ofendida cala-se, retira-se para si própria e durante muito tempo pode contemplar a observação do velho conhecido. Tal comportamento dá ao conhecido o direito de elevar a sua auto-estima também em todas as ocasiões subsequentes;
  • Aceitação e exagero. Em tal situação, a pessoa que se tenta insultar ou humilhar começa a não se ofender em resposta, mas sim a exagerar as palavras do interlocutor. Por exemplo, um conhecido diz: “Uau, como melhoraste?”. E o interlocutor responde: “Sim, estou a fazê-lo de propósito. Afinal de contas, não quero chocalhar ossos como você”, como regra, a pessoa ofendida não está preparada para tal reacção e começa a justificar-se a si própria que não o fez de forma alguma. Esta resposta coloca a pessoa ofendida um passo acima do seu interlocutor, mostrando assim que não se preocupa minimamente com estas palavras. Ou, assinalando que é precisamente o problema do arguido se ele estiver tão fixado em algo.

A experiência mostra que a terceira resposta é a mais eficaz em qualquer situação em que haja insultos. Envergonha o interlocutor. Mostra também uma tentativa inepta de elevar a outra pessoa por uma frase inapropriada que ninguém se preocupa senão com a própria pessoa.

Muitas pessoas auto-confiantes e psicólogos avançados em tais situações usam uma frase policial eficaz, que coloca o interlocutor mais agressivo num estupor. É o que parece:

“Qual é o objectivo do que me estás a dizer?”

E esta frase deve ser dita com toda a calma. E quando a pergunta é dirigida ao manipulador, ele começa a perguntar-se porque o disse. Com a ajuda de tais perguntas, pode controlar o curso do pensamento e da conversa posterior com um manipulador agressivo ou apenas com uma pessoa que fala sem pensar nas consequências.


No more posts
No more posts