A atitude para consigo depende sobretudo de si

A atitude para consigo depende sobretudo de si

Supomos que muitos de vós enfrentaram uma situação em que foram tratados com cinismo, rudeza, e mesmo crueldade. Perguntaram-se: “Por que me fazem isto?”, “Quem lhes deu esse direito? A opinião dos psicólogos sobre este assunto é bastante dura, mas justa:

Cada pessoa determina os limites do permitido. Se for mal tratado, e continuar o diálogo, então desvaloriza-se deliberadamente a si próprio. E não importa qual o seu estatuto social. Mesmo que a pessoa que o ofendeu tenha muito mais poder e dinheiro, primeiro analisa as suas vítimas, e depois age. Os fortes respeitam os fortes e desprezam os fracos. É por isso que somos os únicos que ditam como podemos e não podemos ser tratados.

Respeite-se a si próprio em qualquer caso e em qualquer situação

A auto-estima e o amor-próprio determinam o nosso conforto mental. Ao negar a própria identidade, auto-importância, valor e fé, não se pode acreditar na própria força e subestima o nível das próprias pretensões.

A auto-estima forma o núcleo da personalidade. As nossas motivações, objectivos de vida, e aspirações dependem do nosso nível de auto-estima.

Para compreender como se sente bem consigo mesmo, responda à pergunta: “Aceita-se como é”? Ou criou uma imagem inatingível, percebe que está longe disso, mas não tenta sequer aproximar-se do seu eu ideal?

Aqui reside uma linha extremamente fina na compreensão do auto-respeito. Enquanto o superego corre vigorosamente de manhã, come uma dieta equilibrada, lê livros inteligentes, nunca se desequilibra e nunca perde uma discussão, o ego deita-se sobretudo no sofá e vê televisão depois de regressar de um trabalho aborrecido. O auto-respeito em tal situação está fora de questão. É outra questão se uma pessoa se comporta como a sua imagem ideal poderia comportar-se, ou pelo menos dá passos reais na direcção certa.

O conflito entre a imagem ideal e a realidade irá prejudicar a auto-estima até começar a superar a sua preguiça natural e a empenhar-se no auto-desenvolvimento. Contudo, há uma maneira mais fácil – desistir da imagem ideal, baixar a barra. Coloque a sua imagem ideal será preguiçoso e preguiçoso, e fundir-se-á numa união harmoniosa. É improvável que se sinta orgulhoso de si próprio, mas talvez deixe de se preocupar com isso.

A atitude para consigo depende sobretudo de si

Como cultivar a auto-estima?

Primeiro é preciso descobrir o que se quer ser. Esperamos que tenha um tal objectivo. Porque se não o fizer, é pena, e aconselhamo-lo vivamente a consultar um psicólogo.

Suponha que já tem um retrato ideal de si mesmo. O que queres ser? Como é que lhe corresponde agora? Que esforços fazes para te tornares uma pessoa melhor?

Há uma técnica simples para perceber tudo isto:

  1. Pegue numa folha de papel em branco e escreva numa coluna as qualidades que o nosso ego ideal deveria ter;
  2. Percorrer a lista e anotar as qualidades que já possuímos;
  3. Procure o que combinava e o que não combinava.

Muitos jogos? Quanto mais houver, mais elevado deverá ser o nível de auto-estima. Por outras palavras, quanto mais próximo do ideal, mais razões para se respeitar a si próprio. A propósito, uma coincidência absoluta entre o ideal e o real indica autoconfiança excessiva ou baixa auto-estima.

Auto-estima incondicional

A segunda componente da auto-estima é a atitude básica de “Sinto-me bem (mal) comigo mesmo”. Esta crença não depende da opinião dos outros nem dos nossos verdadeiros méritos, ela nasce na primeira infância, quando só a avaliação dos pais é importante. Se este componente prevalecer, tratamo-nos a nós próprios com respeito.

Quando o amor próprio básico e a sensação de que se está a aproximar da sua própria imagem ideal são combinados, o respeito próprio é confirmado pela auto-estima. Este é o caso feliz em que a personalidade se torna equilibrada, eficaz e bastante satisfeita com a avaliação global da própria vida.

Distorções ocorrem se houver uma falta de aprovação emocional de si próprio com realizações reais ou, inversamente, o amor-próprio não é sustentado por motivos de auto-estima. Sentimentos de desaprovação e ressentimento da vida surgem.

Um exemplo perfeito de auto-estima é um leão no seu habitat natural. Haverá muitos que gostariam de testar o quão forte ele é? Tudo o que ele tem de fazer é vir para um novo lugar, e todos os animais começam a tremer. Tudo o que ele tem de fazer é rosnar e o inimigo retira-se.

Por isso, torne-se um leão no seu ambiente. Não, não estamos a exortá-lo a ser agressivo, apenas a tornar-se o tipo de pessoa que o faz sentir-se respeitado quando o conhece. As pessoas, tal como os animais, são muito sensíveis ao grau de auto-respeito que temos desenvolvido. Poucas pessoas pensariam em fazer uma piada infeliz ou vulgar com, ou manipular, alguém que tenha desenvolvido a auto-estima. Tentativas são possíveis, claro, mas são travadas clara e inequivocamente.

Em contraste, indivíduos que sofrem de baixa auto-estima encontram-se periodicamente em situações em que outros abusam da sua bondade, humilham-nos, e interferem em áreas pessoais. A falta de auto-estima torna-se uma provocação para os indivíduos grosseiros, levando a um aprofundamento da crença de que “não sou digno”.

A atitude para consigo depende sobretudo de si

Como é que aprendemos a respeitar-nos a nós próprios?

Não podemos mudar as pessoas à nossa volta, por isso temos de mudar nós próprios. Aprenda a ter orgulho em si próprio e dê razões para se orgulhar. Um dia, notará como a posição interna se manifestará na postura, aspecto e expressão. Não duvide, as pessoas à sua volta apreciarão a mudança, e você gostará da mudança.

Só você mesmo poderá avaliar o estado da sua auto-estima e compreender quanto trabalho tem pela frente. Podemos dar alguns conselhos universais para começar:

  1. Não se negue a si próprio. Aceite-se a si próprio como é. É assim que os pais amam os seus filhos – claro, independentemente das características da aparência e das falhas de carácter. As pessoas perfeitas não existem, mas há pessoas que estão confiantes em si próprias;
  2. Desenvolve-te a ti próprio. Se te amas, tenta melhorar-te: lê muito, expande os teus horizontes, trabalha em ti próprio;
  3. Aprende a amar-te a ti próprio. Não estamos a falar de egoísmo, que se baseia unicamente na satisfação das suas próprias necessidades. Mas não se trate como o inimigo, permita-se algumas liberdades, pelo menos por vezes. Faça uma lista de prazeres que gostaria de ter. Talvez fique feliz por ir às compras ou tomar um banho com espuma perfumada, ou talvez apenas queira passar o fim-de-semana inteiro em casa a ler um livro. Não seja demasiado duro consigo mesmo;
  4. Seja leal a si mesmo. Trate-se com tolerância, não fique zangado consigo mesmo se algo não funcionou imediatamente, não se culpe impiedosamente por fracassos. Tente novamente, ou mais do que uma vez, e será bem sucedido;
  5. Encontre um emprego ao seu gosto. É difícil respeitar-se a si próprio se todas as manhãs tiver de amaldiçoar o despertador, ir para um trabalho odioso e considerar-se um escravo das galés. Mude a sua profissão se for necessário, mas faça algo que lhe agrade ao coração. Assim que deixar de fazer sacrifícios diários, sentir-se-á como um criador, e não terá de pensar mais em auto-respeito;
  6. Faça um “censo” do seu ambiente. Analise como as pessoas com quem interage são simpáticas para si. Se souber que há alguém que não gosta de conhecer, faça o que puder para reduzir ao mínimo o contacto. Livrar-se-á de emoções negativas, e deixará de sentir remorsos por estar sempre irritado;
  7. Não se engane com promessas vazias. Aprenda a cumprir as suas promessas. Prometa algo a si próprio, tente actuar – irá divertir-se, e ao mesmo tempo aumentar a auto-estima;
  8. Não te compares com os outros. Não precisas de te comparar com ninguém – és uma pessoa separada, digna de respeito e não precisas de modelos a seguir. Se alguém, na sua opinião, digno de imitação, avalia a sua experiência, analisa as acções, os princípios de vida. Pode aprender muito com pessoas mais bem sucedidas, mas não precisa de se comparar com elas;
  9. Largue o seu passado. Esqueça os seus velhos rancores, perdoe os seus agressores e deseje-lhes felicidades. Enquanto revisita continuamente acontecimentos passados, o presente passa-lhe ao lado. Está a perder oportunidades ao continuar com argumentos que já foram completados. É um desperdício sem sentido de tempo e energia.

Aprecie a si próprio, e se achar que não tem razões suficientes para o fazer, empenhe-se no auto-aperfeiçoamento. Nem sempre podemos mudar as circunstâncias, mas aprendemos a viver com dignidade sob o poder de todos. Não faça coisas de que se envergonhe, não se traia, e seja honesto consigo mesmo, para que possa respeitar-se a si mesmo.

A atitude para consigo depende sobretudo de si

Porque é necessário estabelecer limites pessoais para os patrões e colegas de trabalho?

Os limites nas relações são um importante elemento de comunicação não só na família e entre amigos, mas também no trabalho. Utilizamo-los para demonstrar as nossas atitudes e princípios aos nossos colegas, para lhes mostrar o que é aceitável ou inaceitável para nós. Assim, dizemos ao nosso meio como nos devemos comportar connosco e o que podemos oferecer em troca.

O trabalho constitui uma parte importante das nossas vidas. Passamos a maior parte do nosso dia de trabalho. Estabelecer limites claros e compreensíveis nas relações de trabalho não é um capricho nem uma moda. Não só o conforto da alma, mas também o corpo depende disso. Como é que isso acontece? A falta de limites leva frequentemente ao facto de uma pessoa “sentar-se em cima da cabeça” – forçada a trabalhar horas extraordinárias, a atirar as tarefas de outra pessoa. Neste caso, sofre de auto-estima, saúde, relações com pessoas próximas – o que pode ser um estado de espírito positivo, se vier do trabalho zangado e cansado?

Estabelecer limites nas relações de trabalho é um passo importante e necessário. Sem eles, estamos sob constante tensão porque não sabemos o que esperar das pessoas que nos rodeiam. Temos de trabalhar demasiado e encontramo-nos constantemente em situações desagradáveis.

Ao mesmo tempo, ter limites nas relações de trabalho permite-lhe sentir-se confiante na equipa e desfrutar do seu trabalho. Graças a eles, cada funcionário tem uma compreensão clara do que deve fazer exactamente, forma-se uma atmosfera positiva estável na equipa. Isto contribui para uma elevada produtividade, fortalece a própria equipa, os empregados têm menos probabilidades de desistir. Todos sabem o que esperar do outro, o número de desentendimentos devido a mal-entendidos ou situações embaraçosas é reduzido.

Não há dúvida de que os limites nas relações de trabalho são necessários e importantes. Mas então porque é que nem todos encontram a força para as estabelecer? O trabalho não é apenas a nossa base financeira, mas também um meio de realização pessoal. Afecta significativamente o nosso sentido de auto-egociação e de auto-estima.

É principalmente por causa disto que temos medo de perder os nossos empregos, e não por considerações monetárias. É por isso que muitas vezes não nos atrevemos a insistir por nossa conta, para colocar em prática a pessoa que invade o nosso território. Temos medo de que, se formos reduzidos, nos “perguntem” primeiro, que sejamos considerados “inconvenientes” e que nos livremos primeiro.

E desde a infância somos educados desta forma – seja humilde, mantenha a cabeça baixa, não abuse dos seus direitos. Estamos habituados ao facto de não poder discutir com os patrões e provar o seu ponto de vista, que para avançar na sua carreira tem de ser humilde e executar todas as tarefas atribuídas.

Mas as consequências da falta de limites na relação de trabalho são muito mais graves do que o problema imaginário, porque se põe em prática o autocrático ou se ensina o rústico a respeitar-se a si próprio.

A atitude para consigo depende sobretudo de si

Como estabelecer limites numa relação de trabalho?

Obter respeito no trabalho não é difícil se seguir estas regras (e, é claro, cumprir claramente as suas responsabilidades profissionais):

  1. Fale directamente se achar que certas acções, tom, ou declarações são inaceitáveis. Não tem de ter medo de expressar o seu desagrado, de cair em insinuações. Diga simplesmente: “Não tem o direito de se comportar desta forma para comigo. Já chega;
  2. Estabeleça para si mesmo regras confortáveis que lhe convêm pessoalmente. Algumas pessoas salientaram por terem de mudar o intervalo do almoço devido à pressão do trabalho, enquanto outra pessoa precisa apenas de 10 minutos para comer, e estava de volta à luta. E pode até estar aborrecido de descansar durante uma hora, e ele próprio está ansioso por continuar a trabalhar. O principal é que as suas regras se enquadram na cultura empresarial e não saem da gama tradicional de normas de horários de trabalho;
  3. Não espere até “ser a última gota a cair”. Se vir um problema, resolva-o de imediato, não seja paciente. Quanto mais cedo resolver o problema, menos se vai preocupar com ele;
  4. Aprenda a dizer “não”. Se o pedido de um colega ou uma ordem do seu chefe o fizer sentir desconfortável internamente, ou se contradizer os seus princípios morais pessoais, recuse. Mas não há necessidade de ser demasiado rígido. Há pessoas que se sentem confortáveis atrás de um muro de pedra de intransigência, mas que têm poucos amigos. Encontre o meio dourado: demonstre vontade de lutar contra um quebra-cabeças, mas, ao mesmo tempo, não se transforme num empregado zangado e insociável;
  5. Não se faça passar por um puritano. Se estiver a trabalhar há pouco tempo, os limites devem ser estabelecidos gradualmente e periodicamente fazer concessões. É importante ter uma lista de princípios invioláveis. Por exemplo, pode satisfazer o facto de lhe ser pedido um par de vezes para ficar até tarde depois do trabalho, mas nunca lhe é permitido falar consigo em tons mais altos;
  6. Esteja preparado para enfrentar a resistência. Estabelecer as suas próprias regras nem sempre é fácil. Alguém tentará dobrar a sua linha, pode até haver conflitos. Há aqueles que honestamente não se importam com os outros – por muito que tente, serão rudes, despejarão o seu trabalho sobre os colegas, para mostrar desrespeito. Com eles não há nada que se possa fazer – ou se tem de os tolerar, ou se procura outro emprego. A boa notícia é que pessoas tão rudes não estão em todas as equipas;
  7. Não guardem ressentimentos. Manifeste insatisfação com a situação, expresse sempre os seus desejos, diga que comportamento espera dos outros;
  8. Consulte funcionários experientes. Olhe para o seu ambiente de trabalho e terá a certeza de encontrar um colega sábio que consiga manter um equilíbrio em situações difíceis. Deixe-o dizer-lhe o que fazer, falar sobre as peculiaridades da comunicação com certas pessoas, ajudá-lo a encontrar uma saída para uma situação desagradável.

A atitude para consigo depende sobretudo de si

O que fazer se um chefe ou colega já tiver ultrapassado os limites?

Infelizmente, este problema já não pode ser resolvido de forma indolor. O agressor já teve um “gosto de sangue” e tentará “afogá-lo” na primeira oportunidade.

Tentar explicar gentilmente (tentando não estragar esta preciosa relação) que não lhe agrada realmente quando ele o humilha desta forma será inútil. Alguns agressores por vezes até pedem desculpa pelo seu comportamento. Mas isso não significa que vão parar. Eles já ultrapassaram a linha e vão querer tentar novamente.

O que fazer com tais pessoas? A única opção aqui é parar para comunicar, para os enviar com uma palavra dura. Se é o patrão, então demita-se do seu emprego. A saúde mental é mais importante do que qualquer dinheiro ou carreira.

As pessoas normais não humilham outras pessoas. É impossível, mesmo por acidente. Se uma pessoa normal se comportar mal algures consigo, aperceber-se-á imediatamente (sem o seu pedido), ficará horrorizada e compensará o seu comportamento de todas as formas possíveis.

Para corrigir algo aqui já é tarde. Terá a certeza da correcção das minhas palavras. Se não de imediato, então após algum tempo, quando estiver cansado de acreditar que o imaginou novamente. Quando aceitar isto como regra principal, apenas pessoas normais serão atraídas até si. Que, também elas, têm os seus limites pessoais correctamente delineados.


No more posts
No more posts