Planeamento para os preguiçosos: 7 dicas de como não fazer quase nada e conseguir fazer tudo

Planeamento para os preguiçosos: 7 dicas de como não fazer quase nada e conseguir fazer tudo

Olhamos para bloggers que se levantam às cinco da manhã e fazem mil tarefas por dia, e ficamos com ciúmes: “Como é que eles têm tanta energia, e porque é que eu não consigo fazê-lo?”… Relaxa, é normal. Viver o movimento slolife é fixe, também. Mas queremos ir ao ginásio, pintar a óleo e escrever três páginas de fanfic por dia, e deslizar para a procrastinação não é.

Sugerimos que escolha a táctica certa dos nossos esquemas de planeamento, para que tenha tempo de fazer as coisas e deitar-se na cama.

1. Escolher um vector, não um objectivo

Todos dizem como é importante estabelecer objectivos e ir em sua direcção. Mas o tempo passa, o entusiasmo inicial desaparece, o excitante e desconhecido torna-se rotina. Acaba por se esgotar: fica-se preguiçoso, adiam-se as coisas, e desiste-se, porque não se consegue alcançar o resultado perfeito de imediato. E, para não fazer coisas más, prefere-se não as fazer de todo.

A bem da experimentação, aconselhamo-lo a não estabelecer um objectivo específico, mas um vector no qual se moverá. Por outras palavras, não “aprenda inglês, espanhol, e japonês”, mas “melhore os seus conhecimentos de línguas estrangeiras”. Isto não só lhe permitirá não ficar frustrado e não desistir, mas também saltar por cima. Sim, sim, sem um objectivo final, pode fazer ainda mais do que o planeado!

O principal é ser flexível e aberto a novas oportunidades. Existe algum grupo de estudo alemão na escola? Óptimo, força nisso! A avó quer saber que tipo de presente de aniversário quer – um livro ou dinheiro? Escolha um livro: ele dar-lhe-á novos conhecimentos, e é mais provável que o dinheiro pague por quinquilharias desnecessárias.

É uma técnica de roda livre em que se está essencialmente a nadar com a corrente, agarrando-se a oportunidades aleatórias. Portanto, cuidado: por vezes é preciso parar e ver se se está a seguir o caminho certo, para não se afastar demasiado.

2. Seguir a regra dos três objectivos

Quer algo mais sistemático? Apanhe este tipo de técnica, sem listas e detalhes infinitos.

O que fazer:

  • Estabelecer 3 objectivos para o ano;
  • Agora 3 objectivos para o mês;
  • Fixar 3 objectivos para a semana;
  • E mais 3 golos para o dia.

Como trabalhar com isto?

No início do dia, faça as três coisas que tem planeado para hoje. Após completar o plano mínimo, estará pronto para os objectivos para a semana: prossiga para eles, se houver força e tempo. Depois o mesmo para o mês e o ano – este é o plano máximo. O que obtemos como resultado – todos os dias executa um mínimo de casos e já está bem feito. Isto motiva-o, porque é mais fácil de se dedicar a tarefas maiores.

3. Não perca o seu tempo

Todos nós ponderamos como manter o nosso tempo de trabalho a um mínimo. As tarefas são muitas, o tempo é curto. Pode-se fazer tudo se se for César – ou seja, faz-se tudo ao mesmo tempo. No entanto, como sabemos, existe apenas uma pequena percentagem de pessoas assim no mundo.

Não se apresse a ler um livro com um olho e a assistir a um curso de fotografia com o outro. Mas pode ouvir palestras informativas quando cozinha: poupa tempo, e não ficará tão aborrecido enquanto cozinha.

4. Ligar a indiferença normal

Esta técnica é perfeita para os preguiçosos, pois ajuda-o a concentrar-se apenas no que é importante:

  1. Comece por escrever literalmente TODAS as tarefas num pedaço de papel, desde “esfregar o chão” até “fazer um milhão no seu blogue”;
  2. Depois descarte todo o desnecessário. Para o fazer, avalie cada tarefa em função dos seguintes critérios: Não o fará em breve – na coluna “pontuação”, já o faz e os prazos não estão a arder – na coluna “normalizar”; a tarefa é importante para si ou o prazo para a sua conclusão aproxima-se – na coluna “levá-la à perfeição”;
  3. E agora riscar todas as tarefas marcadas com “pontuação”. Basta riscá-la, e não deixe que a sua consciência o incomode.

Depois, leve algum tempo a fazer as coisas de que precisa para normalizar. Se não funcionar ou se ficar preguiçoso, deixe-os em paz durante algum tempo. E passe ao essencial: o que precisa de levar à perfeição. Nesta coluna estão as tarefas prioritárias a que vale a pena dedicar tempo e esforço.

5. Concentrar-se no que é importante

Para o ponto “radical” anterior, existe uma alternativa mais suave. De manhã ou à noite, escolha as coisas que está a fazer hoje. Agora decomponha-as em tarefas menores, como a técnica do elefante. Escreva em pormenor o que exactamente terá de fazer nesse dia, e faça-o. Tais tácticas permitir-lhe-ão concentrar-se apenas nas coisas necessárias e não lhe permitirão ficar atolado.

6. Tenha em mente os seus biorritmos

Não acredite que precisa necessariamente de se levantar cedo, porque a produtividade de manhã é maior. As corujas, por exemplo, não trabalham eficazmente de manhã, é essa a natureza. Construa o seu próprio horário em torno de quando é mais produtivo:

  • Lark – primeira parte da manhã;
  • Coruja – início da noite;
  • Pardais (nenhum dos dois) – a meio da tarde.

O mesmo se aplica ao descanso. Não te martirizes se gostas de te aconchegar na cama até aos 12 ou adormeceres depois das oito. Faça exercício e relaxe quando for conveniente.

7. Fazer um “calendário pin-up” e definir lembretes

Algumas pessoas são motivadas pelo sucesso e outras pela queima de prazos. Se for um destes últimos, imprima ou ponha um calendário no seu protector de ecrã do telefone e marque todos os seus prazos. Mantenha-o à vista de todos e lembre-se de coisas a fazer. Também coloque avisos a si próprio, tais como “Vire-se em 9 dias!!” ou “A sala não se limpa sozinha, a mãe estará de volta em 2 horas!!”. Até te chutares a ti próprio, ninguém o fará 🙂

Como pode ver, há muitas opções de planeamento de tempo para pessoas preguiçosas como nós. Escolha a técnica que melhor lhe convier e atinja os seus objectivos!


No more posts
No more posts