Como descobrir o que realmente queremos?

Como descobrir o que realmente queremos?

À medida que construímos as nossas vidas e o nosso futuro, estamos constantemente a atravessar as nossas cabeças: “Quero construir uma casa de campo”, “Preciso de aprender a conduzir”, “Quero um negócio de sucesso”, “Quem me dera finalmente ter um bebé”… Pensamos saber o que queremos, e até fazemos algum esforço para alcançar o que queremos. Mas como sabemos se estes são realmente os nossos objectivos, ou se vieram de algum outro lugar?

Desejos, aspirações, intenções, sonhos, desejos, devaneios… Quantas palavras diferentes há para o futuro projectado! E cada uma tem a sua própria conotação semântica. Algumas das imagens imaginárias estão destinadas a ficar para sempre por cumprir, enquanto outras estão destinadas a tornar-se planos e objectivos que, quando atingidos, mudarão a realidade e nós próprios.

Um sonho pode existir ao nível de ideias, conceitos e fantasias, e não é por nada que dizem que é “belo”, “inalcançável”. O desejo tem um potencial mais elevado de realismo. Mas pode não se tornar realidade se não precisarmos particularmente dele, acabámos de ouvir que é necessário. Mas se o desejo nasce de dentro, tem todas as hipóteses de se tornar realidade.

Embora por vezes os desejos se tornem uma resposta a acontecimentos externos, ajudando-nos a adaptar-nos a novas circunstâncias. A seguir contaremos algumas histórias da vida real de como os desejos se realizaram e como aconteceram.

A meu pedido, à minha vontade

“Durante muito tempo não me atrevi a tirar a minha carta de condução, embora um dia fantasiasse em conduzir eu próprio. Eu tinha um carro, mas o meu marido conduzia-o”, recorda Mary, 42 anos. – E depois do nascimento do meu filho, percebi que não podia ir a lado nenhum sem carro: o infantário ficava apenas a algumas paragens de autocarro de distância. O meu instrutor e eu conduzimos o bebé até à creche todas as manhãs no carro de treino.

Era um duplo stress para mim – já estava a suar de medo da estrada, e havia também o meu filho atrás de mim. Mas graças à minha condução tornei-me muito mais livre, conduzo há quase 15 anos, viajo por todo o país e alugo um carro no estrangeiro. E gosto muito dele. Graças ao meu filho – se não fosse pelo seu jardim de infância, eu continuaria a ser um peão”.

Supomos que muitos leitores aqui têm a questão: “E se?” e “Porque é que alguns sonhos se tornam realidade e outros não? Fizemos estas perguntas a um psicólogo experiente e recebemos a seguinte resposta:

Um forte desejo torna-se um protótipo do futuro, se for transformado num objectivo. Fantasiamos sobre todo o tipo de coisas: sobre coisas e competências, sobre nós próprios, sobre o que poderíamos ser. Mas, para que tudo isto se torne realidade, precisamos de o querer muito intensamente. Depois precisamos de um plano de acção, da motivação para implementar este plano, e dos recursos necessários.

Se está tudo aí e conseguimos o que queremos, é natural esperar que nós, como Maria, mudemos as coisas para melhor e nos sintamos satisfeitos. A maior parte das vezes, mudamos. Mas nem sempre.

Por exemplo, a moda moderna para “alcançar” faz com que muitas pessoas estabeleçam objectivos, obtenham resultados, mas um dia, na maioria das vezes durante uma crise de meia-idade, alguns descobrem que têm tudo: mulher, negócios, carreira, filhos, riqueza, mas nenhuma sensação de felicidade. Uma das razões para isto é que canalizámos o nosso mágico “querer” na direcção errada. Não é por nada que nos escritórios dos psicoterapeutas se ouve frequentemente a frase: “Sinto-me como se não estivesse a viver a minha vida”.

Um sonho herdado

“Fomos muito amigos do meu pai”, diz Tim, 41 anos. – Saíamos frequentemente de férias para fora da cidade, onde havia muitos rios florestais. Pescávamos, vivíamos numa tenda, queimávamos fogos, e por vezes ficávamos com os seus conhecidos em casas de aldeia. O meu pai disse que um dia teríamos a nossa própria casa na margem do rio.

Quando eu tinha 19 anos de idade, o meu pai morreu. Prometi então que iria comprar uma casa de campo. Há cinco anos atrás, finalmente comprei uma. Embora seja muito longe da minha cidade, e eu trabalho muito e estou muito cansado, tento ir para lá assim que posso, para mexer, para cortar a relva.

E recentemente apanhei-me a pensar que não quero serrar quilómetros e que adoraria ir para outro lugar. Mas a cabana precisa de cuidados, ela “chama”. Penso que quando tinha dezanove anos, a ideia de realizar o sonho do meu pai era uma tentativa de não o deixar ir, de estar com ele. Mas agora sou adulta e compreendo que não se pode trazer o meu pai de volta, e o sonho da casa era dele, não meu”.

Segundo os psicólogos, os sonhos de outras pessoas muitas vezes impedem as pessoas de se tornarem felizes. E isto é mais frequentemente encontrado por crianças que, sem resistência, fazem a vontade dos seus pais. Hoje em dia, os destinos de muitas crianças são determinados antes de serem capazes de compreender o que realmente querem. Há famílias de militares hereditários, médicos, políticos, homens de negócios. Vivendo desde a infância em tal ambiente, uma criança vê e compreende quão importante e querida para a sua família uma profissão transmitida de geração em geração. Seguir a tradição permite fazer parte do sistema familiar.

A necessidade de aceitação por parte da sociedade e da família dita que nos esforçamos (nem sempre realizados) para sermos “o nosso próprio povo”. Só desta forma podemos ter a certeza de que seremos apoiados em todos os sentidos. A oposição aos valores impostos pode resultar em que um se torne um proscrito.

Somos criaturas sociais, e para sobreviver na sociedade, precisamos não só de fazer o que queremos, mas também de responder às necessidades dos outros. Isto é inerente à natureza.

Então como não nos tornarmos reféns dos objectivos e ambições de outras pessoas? Não é difícil. A tarefa principal – encontrar um equilíbrio entre a realização dos próprios desejos e a participação na execução dos desejos dos outros. Cada pessoa tem o seu próprio equilíbrio. Precisa de aprender a reconhecer as suas necessidades e a dar prioridade ao que fazer primeiro, ao que fazer a seguir.

O que nós queremos: Uma escolha difícil

Segundo os psicólogos, os humanos, enquanto seres biológicos, são incapazes de viver sem desejos e sonhos. Temos necessidades fisiológicas que estão principalmente relacionadas com a sobrevivência e reprodução. Estes são programas internos que nos acompanham durante toda a nossa vida e determinam muitas das nossas acções.

Mas não queremos apenas o que a natureza tem reservado para nós! A cultura e a civilização moderna expandem o leque das nossas possibilidades quase até ao infinito! Podemos querer todo o tipo de entretenimento e formas de passar o nosso tempo. Muitas vezes estes desejos não estão relacionados com as necessidades biológicas e até entram em conflito com elas: ameaçam a sobrevivência, bem como a capacidade de ter filhos. A abundância de ofertas é desorientadora.

Pela primeira vez na história, vivemos em tal abundância que não aprendemos a classificar através dela. E se em tempos passados, à medida que envelhecemos, nos tornámos mais conscientes dos nossos desejos e aprendemos a satisfazê-los, agora a idade não garante maior clareza e compreensão!

Como fazer sentido dos próprios desejos? Como compreender o que é realmente importante e valioso? A principal chave para compreender são os nossos sentimentos. Mas se não os compreendermos, não temos qualquer critério de escolha.

O ambiente moderno é concebido para confundir o que as pessoas realmente querem. Todos os meios de comunicação social, publicidade e redes sociais são direccionados para aumentar o número dos nossos desejos. Aqui estão alguns exemplos:

  • É suficientemente sexy? Pode ser tão bonita como estas pessoas no Instagram?
  • Ganhou mais dinheiro este mês/ano?
  • O seu carro é suficientemente bom?
  • A sua casa é boa o suficiente?
  • Será que um novo telefone/gadget/roupa/roupa o faria mais feliz?
  • Tem excesso de peso? Não está na hora de fazer yoga e desporto?
  • Já experimentou definitivamente isto e isto na sua vida?

Há tanto para tentar, para aprender, para experimentar! Mas não importa o que escolhemos, algo mais temos de sacrificar. E mesmo percebendo que existem limitações objectivas, sofremos frequentemente do facto de não podermos ter tudo ao mesmo tempo.

Se uma pessoa realmente não sabe o que quer, torna-se refém da publicidade e começa a comprar tudo de uma vez, contraindo cada vez mais empréstimos, endividando-se seriamente. O raciocínio racional neste ponto fecha-se, porque há cada vez mais desejos, e torna-se cada vez mais difícil satisfazê-los.

Há também situações invertidas, quando as pessoas simplesmente vagueiam pelas lojas, “penduradas” em frente às janelas, sem saberem o que mais querem comprar mais. Uma das formas mais comuns de dependência do consumo imposto é a doença do vício das compras, quando as pessoas não podem viver sem comprar várias vezes por semana. As raparigas sofrem mais frequentemente desta doença, embora este vício ocorra também nos homens.

Algumas pessoas deliberadamente se põem a si próprias para que, comprando esta ou aquela coisa, a sua vida seja melhor. Isto, é claro, é auto-engano.

Segundo os psicólogos, o vício das compras não é difícil de curar. Muito mais difícil de livrar as pessoas da dependência do desejo de cumprir a vontade dos entes queridos: pais, cônjuges.

Numa relação, há quase sempre certas dificuldades, mas se os parceiros podem declarar abertamente os seus desejos, não exigindo que o outro os adivinhe, e são sensíveis aos desejos do parceiro, as hipóteses para o futuro de tal casal são maiores. Por outro lado, por vezes queremos coisas que contradizem os desejos do outro ou os seus valores morais. Neste caso, tudo o que resta a considerar é que os desejos têm limitações.

Um dos pais fundadores da terapia cognitiva, Albert Ellis, disse que uma pessoa saudável é um egoísta saudável que está consciente de que vive rodeado por outros egoístas saudáveis. É importante não só lutar para alcançar o que queremos, mas também perceber que estamos rodeados de pessoas que têm os seus próprios desejos, não apenas aqueles capazes de satisfazer os nossos.

Então, como encontrar o equilíbrio?

Há um ditado: “Não há mal nenhum em sonhar”. Todos nós gostamos de sonhar. Contudo, é importante compreender que o processo de realizar os nossos sonhos e os desejos dos outros tem a seguinte natureza:

  1. É um processo que consome energia e requer tempo e esforço. E muitas vezes uma grande quantidade;
  2. Na prossecução dos nossos sonhos e dos nossos desejos, temos sempre de sacrificar algo. Por conseguinte, é importante compreender por nós próprios: “O que vou perder se?”, “Valerá a pena?”;
  3. Pergunte sempre a si mesmo: “Será isto realmente o que eu quero? Ou será isto o que outra pessoa quer?”;
  4. Não se esqueça que os sonhos e os desejos tendem a “queimar” com a idade. Por exemplo, quando criança, as crianças querem um cachorro ou uma bicicleta, mas na idade adulta esta compra já não vai trazer a mesma alegria. Outro exemplo: muitos jovens sonham em comprar um carro desportivo, mas quando ultrapassam os 40 anos esta compra já não faz sentido (por causa da família, crianças, casa) e é melhor comprar uma minivan ou um grande SUV;
  5. E claro, não se esqueça de como o seu sonho irá afectar as pessoas mais próximas de si. O egoísmo é bom, mas com moderação. É ideal que os seus objectivos beneficiem não só você, mas também a sua família, amigos e outros entes queridos.

Se estas dicas não o ajudaram e não sabe com o que sonhar, os psicólogos aconselham a relaxar e desfrutar do que já conseguiu, e não quer mais nada. Não se force, dê a si próprio e ao seu cérebro tempo para descansar até que tenha novas forças e ideias.


No more posts
No more posts