Prevenção da relação sexual: dicas para evitar contrair o coronavírus

Saiba como você pode minimizar o risco de contrair o coronavírus durante a atividade sexual. Este artigo discute práticas seguras, como usar preservativos, limitar o contato e distancia r-se durante a intimidade.

Com a pandemia covid-19, todos os aspectos de nossas vidas foram sujeitos a mudanças significativas, e o domínio sexual não é exceção. O contato sexual pode ser uma fonte de infecção por coronavírus, portanto, dev e-se tomar precauções extras para minimizar o risco. Este artigo explicará como você pode manter com segurança as relações sexuais durante a pandemia.

Primeiro de tudo, é importante lembrar de manter uma distância social e usar uma máscara. Se você tiver contato próximo com seu parceiro, o risco de transmitir o coronavírus aumenta significativamente. Portanto, se você tiver sintomas de covid-19 ou estiver em contato com uma pessoa infectada, é recomendável que você se abstenha de atividade sexual até que seu estado de saúde seja esclarecido. Se você se sentir bem, mas deseja minimizar seu risco, use preservativos e outros métodos de contracepção de barreira.

Sexo e coronavírus

Sexo e coronavírus

Durante a pandemia de covid-19 coronavírus, quando higiene e distanciamento social priorizaram medidas de segurança, muitas áreas de nossas vidas mudaram. Isso também é verdade para relacionamentos sexuais. Para quem quiser continuar mantendo sua vida sexual segura, é importante ser informado dos riscos e tomar as precauções apropriadas.

Embora o Covid-19 seja transmitido principalmente através de gotículas que são liberadas quando uma pessoa doente tosse ou espirros, o contato sexual também pode ser uma fonte potencial de transmissão. Durante as atividades sexuais, as pessoas podem estar em contato próximo e trocar saliva, suor e, às vezes, até sangue. Tudo isso pode contribuir para a transmissão se um parceiro for um transportador do vírus.

Vídeo sobre o assunto:

Maneiras de não ser infectado

Maneiras de não ser infectado

Existem várias maneiras de minimizar o risco de contrair o coronavírus durante o contato sexual:

  1. Evite contato próximo com estranhos. Quanto mais pessoas você conhece e tiver relacionamentos íntimos, maior a probabilidade de contratar o Coronavírus. Portanto, tente limitar seus contatos e estabelecer uma conexão emocional segura antes de se envolver em atividades sexuais.
  2. Use preservativos e outros métodos de barreira. O uso de um preservativo é uma das maneiras mais eficazes de proteger contra a transmissão de infecções, incluindo o coronavírus. Você também pode considerar o uso de outros métodos de barreira, como Lady Pads e Lady Patches, que também podem ajudar a reduzir o risco de infecção.
  3. Lave as mãos com frequência e use produtos ant i-sépticos. Antes e depois da atividade sexual, é recomendável lavar as mãos completamente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Você também pode usar produtos anti-sépticos à base de álcool para higienizar as mãos e as superfícies.
  4. Evite a atividade sexual se tiver sintomas da doença. Se você tiver sintomas associados a coronavírus (por exemplo, febre, tosse, dificuldade em respirar), é recomendável que você se abstenha de atividade sexual até que esteja totalmente recuperado. Isso ajudará a proteger você e outros de serem infectados.
  5. Estabeleça uma conexão confiável e se comunique com seu parceiro. Converse com seu parceiro sobre precauções e concorde sobre quais métodos de proteção você usará. Seja aberto e honesto em suas conversas, para que você possa tomar uma decisão informada juntos.
  6. Limite o número de parceiros e encontros. Quanto menos parceiros você tiver e menos encontros tiver, menor a probabilidade de contratar o Coronavírus. Tente limitar sua atividade sexual a um parceiro regular para minimizar seu risco.
  7. Verifique suas informações. Siga as atualizações e conselhos sobre o Coronavírus de fontes confiáveis, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Cuidado para não espalhar informações não verificadas que possam levar a ações de pânico ou erradas.

Seguir essas maneiras ajudará a reduzir o risco de contrair o coronavírus durante a atividade sexual e manter você e seus parceiros saudáveis.

Mitos e realidade sobre transmissão

Com a pandemia de coronavírus covid-19, muitas pessoas estão se perguntando sobre a possibilidade de transmissão durante a atividade sexual. Nesta seção, abordaremos alguns mitos e os refutamos ou confirmaremos com base em evidências científicas.

Mito 1: O coronavírus é transmitido através do contato sexual.

Atualmente não há evidências diretas de que o coronavírus possa ser transmitido por contato sexual. O principal mecanismo de transmissão é por transmissão por gotículas, ou seja, através da tosse, espirro e conversa com uma pessoa infectada. Porém, alguns estudos demonstraram a presença do vírus em amostras de sêmen de homens infectados, indicando a possibilidade de transmissão sexual. No geral, o contato sexual ainda pode ser uma fonte potencial de infecção, por isso é importante tomar precauções.

Mito 2: O uso do preservativo protege completamente contra a transmissão do coronavírus.

Usar preservativo pode reduzir o risco de transmissão do coronavírus, especialmente se for usado de forma segura e correta. No entanto, o preservativo não é garantia absoluta de proteção, pois o vírus também pode ser transmitido através do contato com a pele ou mucosas que não são cobertas pelo preservativo. Por isso, além do uso da camisinha, também são recomendados outros cuidados como lavar frequentemente as mãos e evitar contato próximo com pessoas infectadas.

Mito 3: O sexo anal apresenta maior risco de transmissão do coronavírus do que outros tipos de atividade sexual.

Neste momento, não há provas científicas de que a relação sexual anal seja mais arriscada para a transmissão do coronavírus do que outros tipos de atividade sexual. Porém, é importante ter em mente que qualquer contato sexual pode representar certo risco de transmissão, principalmente no caso de contato próximo com uma pessoa infectada. Portanto, você deve seguir todas as recomendações e cuidados de higiene para qualquer tipo de atividade sexual.

Mito 4: O sexo oral sem preservativo não apresenta risco de transmissão do coronavírus.

O vírus pode ser transmitido pela saliva e pelo trato respiratório, portanto o sexo oral sem uso de preservativo também pode representar risco de transmissão do coronavírus. Recomenda-se o uso de preservativo ou métodos de proteção de barreira ao fazer sexo oral para reduzir o risco de infecção. Também é recomendado que você evite contato próximo com o rosto ou órgãos genitais de seu parceiro se você ou seu parceiro apresentarem sinais de resfriado ou outra doença respiratória.

Mito 5: A masturbação sem contato com outra pessoa é segura em termos de transmissão do coronavírus.

A masturbação sem contato com outra pessoa é considerada uma maneira segura de atender às necessidades sexuais de alguém em uma pandemia. Nesse caso, o risco de transmitir o coronavírus é mínimo porque não há contato com outras pessoas. No entanto, você deve estar atento à higiene, lavando as mãos regularmente antes e depois da masturbação para reduzir o risco de infecção.

Impacto do Covid-19 na atividade sexual

A pandemia Covid-19 também provocou mudanças na área de atividade sexual. Restrições ao contato social e recomendações de distância física levaram muitas pessoas a enfrentar novos desafios em suas vidas sexuais. Nesta seção, analisamos como a pandemia afeta a atividade sexual e quais precauções de segurança devem ser tomadas para minimizar o risco de transmissão.

A distância social e as restrições ao ver outras pessoas tiveram um sério impacto nos relacionamentos íntimos. Muitas pessoas ficaram incapazes de entrar em contato com parceiros ou encontrar novas. O cancelamento de namoro, fechamento de bares e clubes e restrições às viagens levaram a oportunidades limitadas de relações sexuais.

    1. Restrição de contato físico

    Uma das principais medidas recomendadas durante uma pandemia é manter a distância física. Isso significa que o contato físico próximo com outras pessoas deve ser limitado. As relações sexuais também são afetadas. Os parceiros devem estar cientes do risco de transmissão por meio de contato próximo e tomar medidas para reduzir esse risco.

      1. Uso de preservativos e outros métodos de barreira

      O uso de preservativos e outros métodos de barreira é uma das medidas de proteção mais eficazes contra a transmissão de infecções, incluindo o Covid-19. Os preservativos ajudam a reduzir o risco de transmissão através de fluidos de contato. Além disso, outros métodos de barreira, como preservativos e barragens dentários, também podem ser usados para proteção adicional.

      Além dessas medidas, recomend a-se a limpeza e a higiene durante a atividade sexual. Lavar as mãos regularmente e o uso de produtos ant i-sépticos também ajudará a reduzir o risco de transmissão.

      Restrição de contato físico Mantendo a distância física e evitando um contato próximo com seu parceiro.
      Uso de preservativos e outros métodos de barreira Usando preservativos e outros métodos de barreira para proteger contra a transmissão.

      Apesar das limitações da pandemia, a atividade sexual pode ser agradável e segura se as precauções necessárias forem seguidas. É importante estar ciente dos riscos e tomar medidas para proteger sua saúde e a de seu parceiro.

      Como usar preservativos durante uma pandemia

      Aqui estão algumas diretrizes importantes:

      1. Escolhendo o preservativo certo. Ao escolher um preservativo, preste atenção à sua qualidade e confiabilidade. Escolha preservativos que foram adequadamente certificados e têm uma boa reputação. Também preste atenção ao material a partir do qual o preservativo é feito. O látex natural é um dos materiais mais confiáveis.
      2. Uso adequado de um preservativo. Antes de usar um preservativo, leia as instruções. Não se esqueça de verificar a data de vencimento do preservativo e sua integridade. Ao abrir o pacote de preservativo, tenha cuidado para não danific á-lo com objetos nítidos.
      3. Aplicando o preservativo a um pênis ereto. Coloque adequadamente e cuidadosamente o preservativo no pênis ereto. Certifiqu e-se de que o preservativo esteja esticado uniformemente e não deixe espaços soltos.
      4. Use um preservativo com apenas um parceiro. Para minimizar a chance de contrair o coronavírus o máximo possível, use um preservativo com apenas um parceiro. Evite ou limite o contato sexual com pessoas diferentes durante a pandemia.
      5. Armazenamento adequado do preservativo. Armazene os preservativos em um local seco e frio, longe da luz solar direta. Não use preservativos que foram armazenados em condições inadequadas ou expiraram.

      Lembr e-se de que o uso do preservativo não é uma garantia de 100% de proteção contra o coronavírus contratante, mas é um passo importante na prevenção da propagação da infecção. Siga as recomendações acima e tome todas as precauções durante a atividade sexual.

      Recomendações dos médicos

      Conselho médico

      Os médicos de todo o mundo compartilham recomendações sobre como minimizar o risco de contrair o coronavírus ao fazer sexo. Aqui estão algumas das principais recomendações:

      • Evite contato próximo com estranhos. Limite o número de parceiros sexuais que você tem e prefere relacionamentos estáveis.
      • Use preservativos. Os preservativos podem ajudar a reduzir o risco de transmitir infecções, incluindo coronavírus. Tente sempre usar preservativos, especialmente ao fazer sexo com novos parceiros.
      • Evite beijar e compartilhar saliva. O coronavírus é transmitido através do trato respiratório; portanto, evite o contato cara a cara, especialmente ao beijar e compartilhar saliva.
      • Manter higiene. Lave as mãos regularmente com água e sabão por 20 segundos antes e depois da atividade sexual. Se a lavagem das mãos não for possível, use um desinfetante para as mãos à base de álcool.
      • Evite sexo se tiver sintomas. Se você tiver sintomas associados ao covid-19, como febre, tosse ou dificuldade em respirar, é recomendável que você se abstenha de atividade sexual até que esteja totalmente recuperado.

      Essas são recomendações básicas dos médicos para ajudar a reduzir o risco de transmitir o coronavírus por meio da atividade sexual. É importante lembrar que cada pessoa pode tomar a decisão com base em suas próprias condições e nível de risco. Sempre siga as recomendações do seu médico e cuide de sua saúde e segurança.

      Os perigos do contato sexual

      O contato sexual pode ser uma fonte potencial de transmissão de coronavírus. Durante os atos sexuais, há um contato físico próximo entre parceiros, o que aumenta a probabilidade de transmitir o vírus através de gotículas de saliva ou outras secreções corporais.

      É importante perceber que o vírus pode ser transmitido não apenas através do contato oral, mas também através da pele e das membranas mucosas dos órgãos genitais. Ao mesmo tempo, o coronavírus também pode ser transmitido antes que os sintomas da doença apareçam – durante o período de incubação.

      O impacto do estresse na vida sexual

      O estresse pode levar a uma diminuição do desejo de intimidade, bem como a diminuição da excitação e o prazer de sexo. Isso ocorre porque o estresse causa níveis aumentados de hormônios do estresse, como o cortisol, o que pode suprimir a produção de hormônios sexuais e prejudicar o fluxo sanguíneo para os órgãos pélvicos.

      • Diminuição do desejo de sexo. Sob a influência do estresse, o cérebro pode reduzir a produção de hormônios sexuais, como a testosterona, levando a uma diminuição da libido e desejo de intimidade.
      • Diminuição da excitação. O estresse pode causar fadiga, depressão e irritabilidade, o que afeta a excitação. Além disso, o estresse pode levar a concentração prejudicada e alerta mental, o que pode afetar a qualidade da experiência sexual.
      • Problemas com ereções e orgasmo. O estresse pode causar vasoconstrição e fluxo sanguíneo prejudicado, o que pode levar a problemas de ereção nos homens. Nas mulheres, o estresse pode causar diminuição da lubrificação e dificuldade em atingir o orgasmo.

      No entanto, você não deve entrar em pânico se às vezes não tiver vontade ou não puder fazer sexo durante o estresse. Este é um fenômeno temporário associado a mudanças fisiológicas no corpo. É importante estar atento para aliviar o estresse e restaurar o equilíbrio emocional.

      Para reduzir o impacto do estresse na vida sexual, recomenda-se:

      1. Pratique regularmente exercícios físicos que ajudarão a aliviar a tensão e melhorar o humor.
      2. Dedique tempo ao relaxamento e descanso. Meditação, ioga, respiração profunda ou outras técnicas de relaxamento podem ajudar a aliviar o estresse e melhorar o humor.
      3. Procure ajuda profissional se o estresse se tornar crônico e afetar gravemente a qualidade de vida.

      É importante lembrar que cada corpo é diferente e os efeitos do estresse na sua vida sexual podem variar. Se você tiver problemas na esfera íntima, discuta-os com seu parceiro e, se necessário, consulte um médico para aconselhamento e ajuda.

      Perguntas e respostas:

      Posso pegar o coronavírus através do contato sexual?

      Sim, o coronavírus pode ser transmitido por contato sexual, pois é transmitido por contato próximo com uma pessoa infectada. Portanto, é importante tomar precauções como usar preservativos e praticar uma boa higiene.

      Que precauções devo tomar ao fazer sexo durante uma pandemia de coronavírus?

      Durante uma pandemia de coronavírus, é recomendado reduzir o número de parceiros, limitar o contacto físico com novas pessoas e usar preservativos para proteção. Também é importante praticar uma boa higiene, como lavar as mãos antes e depois do sexo e limpar brinquedos sexuais.

      Como posso minimizar o risco de contrair coronavírus durante o sexo?

      Para minimizar o risco de contrair coronavírus durante o sexo, recomenda-se o uso de preservativos para prevenir a transmissão através de fluidos seminais e contato com a pele. Também é importante praticar uma boa higiene, lavar as mãos e limpar os brinquedos sexuais. Se você ou seu parceiro apresentarem sintomas de coronavírus ou estiveram em contato com uma pessoa infectada, é melhor abster-se de sexo até que estejam totalmente recuperados ou que a quarentena seja concluída.

      Posso pegar o coronavírus através do sexo oral?

      Sim, é possível contrair o coronavírus através do sexo oral, pois o vírus está presente na saliva e pode ser transmitido pelo contato com a boca e a garganta. Portanto, é recomendado o uso de preservativos ou métodos de proteção de barreira ao fazer sexo oral e praticar uma boa higiene.